Epidemiologia

Introdução

Os coronavírus são importantes patógenos humanos e animais. No final de 2019, um novo coronavírus foi identificado como a causa de um grupo de casos de pneumonia em Wuhan, uma cidade na província de Hubei, na China. Ele se espalhou rapidamente, resultando em uma epidemia em toda a China, seguida por uma pandemia mundial. Em fevereiro de 2020, a Organização Mundial de Saúde designou a doença COVID-19, que significa doença do coronavírus 2019. O vírus que causa COVID-19 é denominado síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2).

Incubação

O período de incubação para COVID-19 é geralmente dentro de 14 dias após a exposição, com a maioria dos casos ocorrendo aproximadamente quatro a cinco dias após a exposição

Fatores de risco para doença grave

A doença grave pode ocorrer em indivíduos saudáveis de qualquer idade, mas ocorre predominantemente em adultos com idade avançada ou comorbidades médicas.

Diversas ferramentas de previsão foram propostas para identificar pacientes com maior probabilidade de ter doença grave com base em características epidemiológicas, clínicas e laboratoriais; entretanto, a maioria dos estudos que avaliam essas ferramentas são limitados pelo risco de viés e nenhum foi avaliado prospectivamente ou validado para o manejo clínico.

Fatores de risco estabelecidos

  • Câncer
  • Doença renal crônica
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica
  • Estado imunocomprometido por transplante de órgão sólido
  • Obesidade (índice de massa corporal ≥30 kg / m2)
  • Gravidez
  • Doença cardiovascular grave
  • Insuficiência cardíaca
  • Doença arterial coronária
  • Cardiomiopatias
  • Anemia falciforme
  • Fumar
  • Diabetes mellitus tipo 2

Possíveis fatores de risco

  • Asma (moderada a grave)
  • Doença cerebrovascular
  • Fibrose cística
  • Hipertensão ou pressão alta
  • Estado imunocomprometido por transplante de células hematopoiéticas, HIV, uso de corticosteroides ou outros agentes imunossupressores, outras imunodeficiências
  • Doença hepática
  • Condições neurológicas, como demência
  • Sobrepeso (índice de massa corporal ≥25, mas <30 kg / m2)
  • Fibrose pulmonar (tendo tecido pulmonar danificado ou cicatrizado)
  • Talassemia (um tipo de distúrbio do sangue)
  • Diabetes mellitus tipo 1

Período de Transmissão

O intervalo preciso durante o qual um indivíduo com infecção por SARS-CoV-2 pode transmitir a infecção a outras pessoas é incerto. O potencial de transmissão da SARS-CoV-2 começa antes do desenvolvimento dos sintomas e é maior no início do curso da doença. O risco de transmissão diminui depois dessa fase. A transmissão após 7 a 10 dias da doença é muito improvável, particularmente para pacientes saudáveis com quadro leve a moderado.

No Brasil ainda é adotada de maneira geral a recomendação para isolamento de 14 dias a partir do 1º dia de sintoma.

Fique Ligado​

Em uma revisão de 28 estudos, a duração média da RT-PCR positivo foi de 18 dias após o início dos sintomas. Em alguns indivíduos, o RNA viral foi detectado no trato respiratório vários meses após a infecção inicial. O RT-PCR positivo, entretanto, não indica necessariamente a presença de vírus infeccioso ou ativo, e sim vírus inativo, “morto”, incapaz de infectar outras pessoas. Apesar da ciência já saber disso, algumas empresas, erroneamente, ainda exigem um resultado negativo para retornar às atividades.

Letalidade

Letalidade ou fatalidade ou ainda, taxa de letalidade relaciona o número de óbitos por
determinada causa e o número de pessoas que foram acometidas por tal doença. Vemos constantemente a mídia reproduzir a letalidade baseada no calculo simples do número de mortos por COVID-19 dividido pelo número de casos. Na data de hoje, 30/12/2020, utilizando os dados da OMS temos uma taxa de letalidade de aprox. 2,2% que pode ser considerada alta. Contudo, essa análise simplificada não leva em conta os assintomáticos em diversos países e os pacientes não testados, a tão falada subnotificação. Em uma análise mais aprofundada, considerando essas variáveis, a letalidade geral se aproxima de 0,24%, nas faixas etárias mais jovens aprox. 0,05%.

Prevenção

Como guia básico de prevenção as autoridades sanitárias recomendam, para todos com foco em doentes crônicos, sintomáticos e idosos.

  • Praticar o distanciamento social evitando multidões e mantendo uma distância de dois metros dos outros em público. Em particular, devem evitar o contato próximo com pessoas doentes.
  • Usar máscaras quando estiverem em público.
  • Lavar as mãos com cuidado. Preferencialmente com água e sabão. O uso de desinfetante para as mãos que contenha pelo menos 60% de álcool é uma alternativa razoável. A importância da higiene das mãos foi ilustrada por um estudo no qual amostras de muco inoculadas com o vírus SARS-CoV-2 foram aplicadas na pele humana notou-se que o SARS-CoV-2 e o vírus da Influenza foram inativados em 15 segundos após a exposição ao álcool a 80%.
  • Higiene respiratória (por exemplo, cobrir a tosse ou espirro).
  • Evitar tocar no rosto (em particular olhos, nariz e boca).
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies que são freqüentemente tocados.
  • Assegurar ventilação adequada dos espaços internos. Isso inclui abrir janelas e portas, operar ventiladores de aquecimento / ar condicionado continuamente e usar sistemas portáteis de filtragem de ar particulado de alta eficiência.
doctor, covid, coronaviruses

O Uso de Máscaras é realmente eficiente?

A justificativa para todos (independentemente dos sintomas) usarem uma máscara em público é conter secreções e prevenir a transmissão de indivíduos com infecção, incluindo aqueles assintomáticos ou pré-sintomáticos.

Alguns estudos encontraram alguma evidência de que essa medida pode ter efeito, porém todos carecem de um grupo controle e maior parte deles usou como base o primeiro caso sabidamente doente e contaminado. Os próprios autores da maior meta-análise realizada sobre o tema, patrocinada pela OMS e publicada no The Lancet em Junho de 2020, reconhecem isso em sua interpretação: “Os resultados desta revisão sistemática e meta-análise apoiam o distanciamento físico de 1 m ou mais e fornecem estimativas quantitativas para modelos e rastreamento de contato para informar as autoridades. O uso de máscaras faciais, respiradores e proteção para os olhos em ambientes públicos e de saúde deve ser encorajado por essas descobertas e fatores contextuais. Ensaios clínicos randomizados robustos são necessários para informar melhor as evidências para essas intervenções, mas esta avaliação sistemática das melhores evidências disponíveis atualmente pode fornecer orientações provisórias.”

Quanto tempo dura a imunidade se o paciente já teve a Sars-Cov-2?

Somos noticiados pela mídia que os anticorpos em média duram 3 meses na circulação sanguínea conforme apontam alguns levantamentos, portanto a defesa contra uma reinfecção duraria apenas esse período. Entretanto, há uma extrapolação grande na afirmação, pois os anticorpos não são a única arma de defesa do sistema imune.

A SARS-Cov-1 surgiu em 2003, na Ásia, atingindo 8.000 pessoas de 26 países, com letalidade pelo menos dez vezes maior do que a SARS-Cov-2.

Em um estudo com 23 pacientes, dentre os 8.000 positivos para SARS-Cov-1 (2003), mostrou 100% de resposta imune para a SARS-Cov-2. Isso revela permanência da defesa, contra os dois coronavírus, após 17 anos. Este é um forte indício de que a imunidade na maioria das vezes é de longa duração.

Algumas análises de pessoas saudáveis que não haviam entrado em contato com a COVID-19 demonstrou 51% de pacientes com células T reativas ao SARS-Cov-2, ou seja já havia alguma memória imune protetora.

Os achados indicam que cerca de metade da população mundial pode ter o sistema imune preparado para combater a doença.

Outros estudos apontam defesa robusta contra a COVID-19 por meio das células T mesmo com anticorpos negativos ou baixos.

Uma outra análise recente acompanhou um grupo de 188 pacientes com boa resposta ao longo do tempo. Saiba mais aqui

Esses achados em conjunto, apontam que muito provavelmente, a maior parcela da população que entra em contato com a COVID-19 desenvolve memória de defesa de maneira efetiva por muitos anos, não havendo motivo para pânico da tão falada reinfecção.

Referências

  1. A familial cluster of pneumonia associated with the 2019 novel coronavirus indicating person-to-person transmission: a study of a family cluster. Chan JF, Yuan S, Kok KH, To KK, Chu H, Yang J, Xing F, Liu J, Yip CC, Poon RW, Tsoi HW, Lo SK, Chan KH, Poon VK, Chan WM, Ip JD, Cai JP, Cheng VC, Chen H, Hui CK, Yuen KY Lancet. 2020;395(10223):514. Epub 2020 Jan 24.
  2. Early Transmission Dynamics in Wuhan, China, of Novel Coronavirus-Infected Pneumonia. Li Q, Guan X, Wu P, Wang X, Zhou L, Tong Y, Ren R, Leung KSM, Lau EHY, Wong JY, Xing X, Xiang N, Wu Y, Li C, Chen Q, Li D, Liu T, Zhao J, Liu M, Tu W, Chen C, Jin L, Yang R, Wang Q, Zhou S, Wang R, Liu H, Luo Y, Liu Y, Shao G, Li H, Tao Z, Yang Y, Deng Z, Liu B, Ma Z, Zhang Y, Shi G, Lam TTY, Wu JT, Gao GF, Cowling BJ, Yang B, Leung GM, Feng Z N Engl J Med. 2020;382(13):1199. Epub 2020 Jan 29.
  3. Clinical Characteristics of Coronavirus Disease 2019 in China. Guan WJ, Ni ZY, Hu Y, Liang WH, Ou CQ, He JX, Liu L, Shan H, Lei CL, Hui DSC, Du B, Li LJ, Zeng G, Yuen KY, Chen RC, Tang CL, Wang T, Chen PY, Xiang J, Li SY, Wang JL, Liang ZJ, Peng YX, Wei L, Liu Y, Hu YH, Peng P, Wang JM, Liu JY, Chen Z, Li G, Zheng ZJ, Qiu SQ, Luo J, Ye CJ, Zhu SY, Zhong NS, China Medical Treatment Expert Group for Covid-19 N Engl J Med. 2020;382(18):1708. Epub 2020 Feb 28.
  4. Centers for Disease Control and Prevention. Interim Clinical Guidance for Management of Patients with Confirmed Coronavirus Disease (COVID-19). Available at: https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/clinical-guidance-management-patients.html.
  5. Coronavirus Disease 2019 Case Surveillance – United States, January 22-May 30, 2020. Stokes EK, Zambrano LD, Anderson KN, Marder EP, Raz KM, El Burai Felix S, Tie Y, Fullerton KE MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2020;69(24):759. Epub 2020 Jun 19.
  6. Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China. Huang C, Wang Y, Li X, Ren L, Zhao J, Hu Y, Zhang L, Fan G, Xu J, Gu X, Cheng Z, Yu T, Xia J, Wei Y, Wu W, Xie X, Yin W, Li H, Liu M, Xiao Y, Gao H, Guo L, Xie J, Wang G, Jiang R, Gao Z, Jin Q, Wang J, Cao B Lancet. 2020;395(10223):497. Epub 2020 Jan 24.
  7. Self-reported Olfactory and Taste Disorders in Patients With Severe Acute Respiratory Coronavirus 2 Infection: A Cross-sectional Study. Giacomelli A, Pezzati L, Conti F, Bernacchia D, Siano M, Oreni L, Rusconi S, Gervasoni C, Ridolfo AL, Rizzardini G, Antinori S, Galli M Clin Infect Dis. 2020;71(15):889.
  8. Olfactory and gustatory dysfunctions as a clinical presentation of mild-to-moderate forms of the coronavirus disease (COVID-19): a multicenter European study. Lechien JR, Chiesa-Estomba CM, De Siati DR, Horoi M, Le Bon SD, Rodriguez A, Dequanter D, Blecic S, El Afia F, Distinguin L, Chekkoury-Idrissi Y, Hans S, Delgado IL, Calvo-Henriquez C, Lavigne P, Falanga C, Barillari MR, Cammaroto G, Khalife M, Leich P, Souchay C, Rossi C, Journe F, Hsieh J, Edjlali M, Carlier R, Ris L, Lovato A, De Filippis C, Coppee F, Fakhry N, Ayad T, Saussez S Eur Arch Otorhinolaryngol. 2020;277(8):2251. Epub 2020 Apr 6.
  9. Prevalence of Taste and Smell Dysfunction in Coronavirus Disease 2019. Mercante G, Ferreli F, De Virgilio A, Gaino F, Di Bari M, Colombo G, Russo E, Costantino A, Pirola F, Cugini G, Malvezzi L, Morenghi E, Azzolini E, Lagioia M, Spriano G JAMA Otolaryngol Head Neck Surg. 2020;
  10. The Prevalence of Olfactory and Gustatory Dysfunction in COVID-19 Patients: A Systematic Review and Meta-analysis. Tong JY, Wong A, Zhu D, Fastenberg JH, Tham T Otolaryngol Head Neck Surg. 2020;163(1):3. Epub 2020 May 5.
  11. Olfactory Dysfunction in Coronavirus Disease 2019 Patients: Observational Cohort Study and Systematic Review. Chung TW, Sridhar S, Zhang AJ, Chan KH, Li HL, Wong FK, Ng MY, Tsang RK, Lee AC, Fan Z, Ho RS, Luk SY, Kan WK, Lam SH, Wu AK, Leung SM, Chan WM, Ng PY, To KK, Cheng VC, Lung KC, Hung IF, Yuen KY Open Forum Infect Dis. 2020;7(6):ofaa199. Epub 2020 Jun 5.
  12. Prediction models for diagnosis and prognosis of covid-19 infection: systematic review and critical appraisal. Wynants L, Van Calster B, Collins GS, Riley RD, Heinze G, Schuit E, Bonten MMJ, Damen JAA, Debray TPA, De Vos M, Dhiman P, Haller MC, Harhay MO, Henckaerts L, Kreuzberger N, Lohman A, Luijken K, Ma J, Andaur CL, Reitsma JB, Sergeant JC, Shi C, Skoetz N, Smits LJM, Snell KIE, Sperrin M, Spijker R, Steyerberg EW, Takada T, van Kuijk SMJ, van Royen FS, Wallisch C, Hooft L, Moons KGM, van Smeden M BMJ. 2020;369:m1328. Epub 2020 Apr 7.
  13. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19): Who Is at Increased Risk for Severe Illness? – People of Any Age with Underlying Medical Conditions. Centers for Disease Control and Prevention.
  14. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19): Evidence used to update the list of underlying medical conditions that increase a person’s risk of severe illness from COVID-19. Centers for Disease Control and Prevention.
  15. Signs and symptoms to determine if a patient presenting in primary care or hospital outpatient settings has COVID-19 disease. Struyf T, Deeks JJ, Dinnes J, Takwoingi Y, Davenport C, Leeflang MM, Spijker R, Hooft L, Emperador D, Dittrich S, Domen J, Horn SRA, Van den Bruel A, Cochrane COVID-19 Diagnostic Test Accuracy Group Cochrane Database Syst Rev. 2020;7:CD013665. Epub 2020 Jul 7.
  16. The Early Natural History of SARS-CoV-2 Infection: Clinical Observations From an Urban, Ambulatory COVID-19 Clinic. Cohen PA, Hall LE, John JN, Rapoport AB Mayo Clin Proc. 2020;95(6):1124. Epub 2020 Apr 20.
  17. Strong associations and moderate predictive value of early symptoms for SARS-CoV-2 test positivity among healthcare workers, the Netherlands, March 2020. Tostmann A, Bradley J, Bousema T, Yiek WK, Holwerda M, Bleeker-Rovers C, Ten Oever J, Meijer C, Rahamat-Langendoen J, Hopman J, van der Geest-Blankert N, Wertheim H Euro Surveill. 2020;25(16)
  18. Seroprevalence of SARS-CoV-2 antibodies in people with an acute loss in their sense of smell and/or taste in a community-based population in London, UK: An observational cohort study.
  19. Makaronidis J, Mok J, Balogun N, Magee CG, Omar RZ, Carnemolla A, Batterham RL PLoS Med. 2020;17(10):e1003358. Epub 2020 Oct 1.
  20. Variation in False-Negative Rate of Reverse Transcriptase Polymerase Chain Reaction-Based SARS-CoV-2 Tests by Time Since Exposure. Kucirka LM, Lauer SA, Laeyendecker O, Boon D, Lessler J Ann Intern Med. 2020;173(4):262. Epub 2020 May 13.
  21. Profiling Early Humoral Response to Diagnose Novel Coronavirus Disease (COVID-19). Guo L, Ren L, Yang S, Xiao M, Chang , Yang F, Dela Cruz CS, Wang Y, Wu C, Xiao Y, Zhang L, Han L, Dang S, Xu Y, Yang QW, Xu SY, Zhu HD, Xu YC, Jin Q, Sharma L, Wang L, Wang J Clin Infect Dis. 2020;71(15):778.
  22. Evidence Supporting Transmission of Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 While Presymptomatic or Asymptomatic. Furukawa NW, Brooks JT, Sobel J Emerg Infect Dis. 2020;26(7) Epub 2020 Jun 21.
  23. Review of the Emerging Evidence Demonstrating the Efficacy of Ivermectin in the Prophylaxis and Treatment of COVID-19. Pierre Kory, MD1*, et al.
  24. https://c19study.com/
  25. World Health Organization. Draft landscape of COVID-19 candidate vaccines. https://www.who.int/publications/m/item/draft-landscape-of-covid-19-candidate-vaccines
  26. SARS-CoV-2 vaccines in development. Krammer F Nature. 2020;586(7830):516. Epub 2020 Sep 23.
  27. Understanding viral shedding of severe acute respiratory coronavirus virus 2 (SARS-CoV-2): Review of current literature. Fontana LM, Villamagna AH, Sikka MK, McGregor JC Infect Control Hosp Epidemiol. 2020;
  28. Cingapura (Nature, Le Bert et al., 2020)
  29. CDC, unpublished data, 2020; Midgley et al., 2020; Young et al., 2020; Zou et al., 2020; Wölfel et al., 2020; van Kampen et al., 2020.
  30. CDC, unpublished data, 2020; Wölfel et al., 2020; Arons et al., 2020; Bullard et al., 2020; Lu et al., 2020; personal communication with Young et al., 2020; Korea CDC, 2020.
  31. van Kampen et al., 2020
  32. The infection fatality rate of COVID-19 inferred from seroprevalence data. John Ioannidis medRxiv 2020.05.13.20101253; doi: https://doi.org/10.1101/2020.05.13.20101253
  33. Le Bert, N., Tan, A.T., Kunasegaran, K. et al. SARS-CoV-2-specific T cell immunity in cases of COVID-19 and SARS, and uninfected controls. Nature 584, 457–462 (2020). https://doi.org/10.1038/s41586-020-2550-z
  34. Robust T cell immunity in convalescent individuals with asymptomatic or mild COVID-19. T Sekine, A Perez-Potti, O Rivera-Ballesteros, K Strålin… – Cell, 2020 – Elsevier
  35. Summary of Guidance for Public Health Strategies to Address High Levels of Community Transmission of SARS-CoV-2 and Related Deaths, December 2020. Honein MA, Christie A, Rose DA, Brooks JT, Meaney-Delman D, Cohn A, Sauber-Schatz EK, Walker A, McDonald LC, Liburd LC, Hall JE, Fry AM, Hall AJ, Gupta N, Kuhnert WL, Yoon PW, Gundlapalli AV, Beach MJ, Walke HT, CDC COVID-19 Response Team MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2020;69(49):1860. Epub 2020 Dec 11.
  36. Survival of SARS-CoV-2 and influenza virus on the human skin: Importance of hand hygiene in COVID-19. Hirose R, Ikegaya H, Naito Y, Watanabe N, Yoshida T, Bandou R, Daidoji T, Itoh Y, Nakaya T Clin Infect Dis. 2020;
  37. Physical distancing, face masks, and eye protection to prevent person-to-person transmission of SARS-CoV-2 and COVID-19: a systematic review and meta-analysis. Chu DK, Akl EA, Duda S, Solo K, Yaacoub S, Schünemann HJ, COVID-19 Systematic Urgent Review Group Effort (SURGE) study authors Lancet. 2020;395(10242):1973. Epub 2020 Jun 1.
Compartilhar:

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *