Barriga Inchada

Tudo sobre barriga inchada, possíveis, causas, como acabar com ela, alimentos fermentativos, FODMAP, Sd. do Intestino Irritável entre outros.

O Desafio da Barriga inchada e excesso de gases

Quer diminuir a sensação de estômago cheio e a barriga inchada? Quais são as principais causas? Como tratar? Quais alimentos evitar? Como diminuir o excesso de gases? Este artigo tem o objetivo de responder a todos essas dúvidas e diversas outras com base nos artigos disponíveis atualmente. Muitos pacientes se queixam de estar com excesso de gás, sua percepção se baseia em alguns sintomas como arroto, inchaço na barriga, dor abdominal e flatulência. Diversos mecanismos podem ser responsáveis por esses sintomas como engolir muito ar, produção de gás dentro do intestino, má absorção de alimentos, obstrução ou liberação de gás ineficiente, variações na pressão atmosférica e etc. Dessa forma, nem sempre é uma tarefa fácil identificar corretamente o problema para poder encaminhar para uma resolução. Cada indivíduo é único e seu comportamento pode influenciar diretamente nos sintomas, para entender melhor como tudo acontece vamos iniciar pelo princípios quimico-físicos.

Composição química dos gases

O volume de gás no trato intestinal é de aproximadamente 200 mL tanto nos estados de jejum quanto alimentado, tanto em indivíduos normais quanto em indivíduos que se queixam de distensão gasosa. Nitrogênio (N2), oxigênio (O2), dióxido de carbono (CO2), hidrogênio (H2) e metano (CH4) são responsáveis por mais de 99% do gás intestinal expelido. Sendo que o N2 é predominante. O oxigênio está presente em concentrações muito baixas, e as concentrações de CO2, H2 e CH4 variam entre os indivíduos.

A composição do gás também varia dentro dos seguimentos do trato gastrointestinal. Como exemplo, o gás estomacal contém altas concentrações de N2 e O2 semelhantes à atmosfera, enquanto o flato contém menos O2 e mais CH4.

Esses gases causam mal cheiro?

Nenhum dos gases principais tem odor. O mal cheiro pode ser atribuível a compostos contendo enxofre, como metanotiol, sulfeto de dimetila, sulfeto de hidrogênio, bem como ácidos graxos de cadeia curta.

Causas De Inchaço E Distensão Abdominal

O inchaço refere-se a uma sensação de plenitude abdominal, pressão ou sensação de gás preso, enquanto a distensão é um aumento mensurável na cintura abdominal. Essas queixas estão presentes em 20 a 30% da população geral e em até 96% dos pacientes com síndrome do intestino irritável. A origem do inchaço abdominal não é totalmente compreendida e é provável que seja multifatorial. Muitos fatores podem influenciar como a quantidade e o tipo de gás intestinal, quantidade de água no intestino, microbiota intestinal, motilidade e alterações na sensibilidade visceral.

Gas fedorento

Nem tudo é aumento de gás

A sensação de inchaço abdominal é geralmente atribuída ao excesso de gás pelos pacientes. No entanto, a relação entre a quantidade de gás e os sintomas nem sempre é real. Alguns estudos mediram a quantidade de gás por aferição direta do volume e também com exames de imagem não mostraram evidências de aumento do gás em pacientes que reclamam de distensão gasosa, embora dados discordantes também tenham sido relatados.

Por que existe a sensação de barriga inchada?

Outros estudos sugerem que pacientes com queixas crônicas de inchaço e distensão podem ter a sensibilidade exagerada a quantidades normais de gás, podendo variar conforme a microbiota intestinal. Mecanismos de disfunção intestinal podem envolver desarranjo da microbiota intestinal por interações com intestino, sistema imunológico, sistema nervoso intestinal e sistema nervoso central. Um outro mecanismo proposto para distensão abdominal é a incoordenação do movimento intestinal na presença dos gases. Pesquisadores descobriram que o intestino de alguns indivíduos com inchaço e distensão pode responder de forma errada e descoordenada a aumentos modestos de gás.

Como saber qual é o problema?

Um diagnóstico clínico de inchaço/distensão funcional requer o preenchimento de critérios diagnósticos baseados em sintomas e uma avaliação médica detalhada para excluir outras doenças.

O inchaço funcional geralmente exibe um padrão diurno. Pode surgir após a ingestão de alimentos específicos e, às vezes, ser acompanhado de arroto excessivo ou flatulência. Os pacientes podem reclamar da piora dos sintomas à medida que o dia avança, particularmente após as refeições, mas aliviando os sintomas durante a noite. Contudo alguns sinais específicos podem indicar um quadro mais grave do que apenas uma disfunção e na maioria das vezes o diagnostico preciso exige exames complementares e avaliação médica detalhada.

Principais causas alimentares para barriga inchada

Ar engolido

Arrotos crônicos e repetidos podem ocorrer se você engolir grandes quantidades de ar (ou seja, aerofagia). Aerofagia é tipicamente um processo inconsciente, e é frequentemente associado com estresse emocional.

Alimentos que aumentam o gás (fermentação)

Certos alimentos contêm carboidratos específicos chamados “FODMAPs” (sigla em inglês para um grupo de alimentos fermentadores). Os FODMAPs são mal absorvidos e podem resultar em inchaço e produção de gás em algumas pessoas.

Intolerância à lactose

A intolerância à lactose consiste no intestino que não contém as bactérias capazes de digerir lactose, o açúcar encontrado na maioria dos produtos à base de leite. Os sintomas da intolerância à lactose incluem diarreia, dor abdominal e flatulência após o consumo de leite ou produtos que contenham leite.

Intolerância aos açúcares alimentares

Algumas pessoas são intolerantes aos açúcares contidos em certos alimentos. Dois exemplos comuns são frutose (contida em frutas secas, mel, sacarose, cebola, alcachofras e muitos alimentos e bebidas que contêm “xarope de milho”) e sorbitol (um substituto de açúcar contido em alguns doces sem açúcar e chiclete).

Sinais de alarme que podem indicar doenças

  • Dor abdominal noturna (despertar do sono)
  • Perda de peso
  • Sangue nas fezes
  • Abdômen muito endurecido
  • Febre
  • Vômitos
  • Gordura nas fezes
  • Diarréia com características novas ou estranhas
Atenção

Como definir se é um quadro disfuncional?

Os critérios diagnósticos para inchaço/distensão funcional segundo o Roma IV são:

  1. Inchaço recorrente ou distensão, em média, pelo menos um dia por semana sendo este o sintomas predominante sobre os outros.
  2. Critérios insuficientes para diagnóstico de outras doenças como a sd. do intestino irritável, diarreia funcional e etc.

Como reduzir a barriga inchada?

Para conseguir um resultado eficiente na redução da sensação de estômago cheio e barriga inchada primeio é necessário entender corretamente a causa do problema, conforme descrito acima. Após avaliação médica detalhada é possível realizar algumas abordagens:

Tratamento da causa básica

Em pacientes com supercrescimento bacteriano intestinal (SIBO) é indicado um tratamento com antibióticos. Em indivíduos com intolerância à lactose, o manejo inclui restrição de lactose e o uso de preparações de enzimas orais (lactase). Medicações anticolinergicas, opioides e bloqueadores de cálcio devem ser evitados por causa de seus efeitos na motilidade intestinal.

Medicamentos sem prescrição médica

  • Simeticona ou similares – Ela faz com que as bolhas de gás se separem e é amplamente usada para aliviar a distensão, embora seu benefício seja questionável.
  • Carvão ativado – O benefício do carvão ativado não é claro, embora seja razoável tentar.
  • Galactosidase – Ajuda a quebrar certos carboidratos complexos. Este tratamento pode ser eficaz na redução do gás depois de comer feijão ou outros vegetais que contenham Rafinose.
  • Bismuto – Serve para reduzir o odor de gás com cheiro desagradável.

Modificação alimentar e de estilo de vida

Evitar alimentos que aumentem a flatulência e em casos refratários uma dieta específica chamada de Low FODMAPs podem ser as estratégias mais eficientes. Outras modificações dietéticas que podem ser úteis incluem a restrição de bebidas gasosas. Exercícios leves e postura ereta podem melhorar o inchaço em alguns pacientes.

Próbióticos

Os probióticos já são associados a uma melhora dos sintomas em pacientes com sd do intestino irritável e diversas outras doenças e condições clínicas, ainda é necessário avaliar melhor a magnitude do benefício e as espécies e cepas mais eficazes. 

Biofeedback

Em pacientes com distensão abdominal funcional, o biofeedback pode diminuir a distensão. Em um estudo observacional que incluiu 45 pacientes com distúrbios gastrointestinais funcionais associados à distensão, 15 indivíduos que receberam biofeedback respiratório guiado por eletromiografia apresentaram taxas significativamente menores de distensão abdominal em comparação com o grupo controle. A atividade dos músculos intercostais e do diafragma diminuiu significativamente após a terapia, enquanto a atividade dos músculos abdominais, particularmente o oblíquo interno, aumentou significativamente.

Outras terapias

Outras terapias que carecem de evidências claras de eficácia na diminuição do inchaço/distensão incluem agentes anti-gases, substâncias absortivas (por exemplo, carvão ativado).

Alimentos produtores de gás

Tipo de Alimento

Exemplos

Leite e Derivados

Leite, sorvete, queijo (pode não estar relacionado com lactose)

Vegetais

Brócolis, couve-flor, couve-de-bruxelas, cebola, alho-poró, salsinha, aipo, rabanetes, aspargos, repolho, couve-rábano, pepino, batatas, nabos, rutabaga

Frutas

Ameixas, damascos, maçãs, peras, pêssegos, passas, bananas

Grãos integrais

Trigo e aveia, rosquinhas, gérmen de trigo, pretzels, farelo de cereal

Gordura

Alimentos fritos

Bebidas 

Bebidas gaseificadas, cerveja, medicamentos gaseificados

Legumes

Feijão, ervilhas, soja, feijão lima

Diversos

Chiclete, adoçantes artificiais(sorbitol)

Conclusões

Para dimuir a sensação de barriga inchada, em primeiro lugar é necessário entender o que está acontecendo com cada pessoa, existe a possibilidade de ser algo simples como alimentação produzindo fermentação mas também existem doenças que devem ser investigadas e tratadas adequadamente. Dicas práticas incluem evitar alimentos fermentadores citados, e reinclui-los na dieta gradualmente até notar qual deles provoca mais gás. De qualquer modo, é um desafio até para os mais experientes por existirem mais de 25 causas possíveis.

Se esse artigo foi útli para você não esqueça e compartilhar, essas informações podem beneficiar muitas pessoas!

Referência

  1. The role of intestinal gas in functional abdominal pain. Lasser RB, Bond JH, Levitt MD N Engl J Med. 1975;293(11):524.
  2. Measurement of the volume of gas in the gastrointestinal tract; values in normal subjects and ambulatory patients. BEDELL GN, MARSHALL R, DUBOIS AB, HARRIS JH J Clin Invest. 1956;35(3):336.
  3. Investigation of normal flatus production in healthy volunteers. Tomlin J, Lowis C, Read NW Gut. 1991;32(6):665.
  4. Quantitative analysis of bowel gas using plain abdominal radiograph in patients with irritable bowel syndrome. Koide A, Yamaguchi T, Odaka T, Koyama H, Tsuyuguchi T, Kitahara H, Ohto M, Saisho H Am J Gastroenterol. 2000;95(7):1735.
  5. Gas-chromatographic and mass-spectrometric analysis of the odor of human feces. Moore JG, Jessop LD, Osborne DN Gastroenterology. 1987;93(6):1321.
  6. Identification of gases responsible for the odour of human flatus and evaluation of a device purported to reduce this odour. Suarez FL, Springfield J, Levitt MD Gut. 1998;43(1):100.
  7. Aerophagia in adults: a comparison with functional dyspepsia. Chitkara DK, Bredenoord AJ, Rucker MJ, Talley NJ Aliment Pharmacol Ther. 2005;22(9):855.
  8. Functional bowel disorders. Longstreth GF, Thompson WG, Chey WD, Houghton LA, Mearin F, Spiller RC Gastroenterology. 2006;130(5):1480.
  9. Identification of distinct upper and lower gastrointestinal symptom groupings in an urban population. Talley NJ, Boyce P, Jones M Gut. 1998;42(5):690.
  10. Volume and composition of human intestinal gas determined by means of an intestinal washout technic. Levitt MD N Engl J Med. 1971;284(25):1394.
  11. Abdominal distension in female patients with irritable bowel syndrome: exploration of possible mechanisms. Maxton DG, Martin DF, Whorwell PJ, Godfrey M Gut. 1991;32(6):662.
  12. Physiologic insights into irritable bowel syndrome. Schuster MM, Whitehead WE Clin Gastroenterol. 1986;15(4):839.
  13. Pain from distension of the pelvic colon by inflating a balloon in the irritable colon syndrome. Ritchie J Gut. 1973;14(2):125.
  14. Small intestinal bacterial overgrowth: a framework for understanding irritable bowel syndrome. Lin HC JAMA. 2004;292(7):852.
  15. Ambulatory abdominal inductance plethysmography: towards objective assessment of abdominal distension in irritable bowel syndrome. Lewis MJ, Reilly B, Houghton LA, Whorwell PJ Gut. 2001;48(2):216.
  16. Functional gastroduodenal disorders.Tack J, Talley NJ, Camilleri M, Holtmann G, Hu P, Malagelada JR, Stanghellini V Gastroenterology. 2006;130(5):1466.
  17. Bowel Disorders. Mearin F, Lacy BE, Chang L, Chey WD, Lembo AJ, Simren M, Spiller R Gastroenterology. 2016 Feb;
  18. Abdominothoracic mechanisms of functional abdominal distension and correction by biofeedback. Barba E, Burri E, Accarino A, Cisternas D, Quiroga S, Monclus E, Navazo I, Malagelada JR, Azpiroz F Gastroenterology. 2015 Apr;148(4):732-9. Epub 2014 Dec 11.
Compartilhar:

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *