Efeitos do Café

O cafézinho de cada dia prejudica a saúde? Existem efeitos benéficos? Até quantas xícaras de café podemos beber por dia? O que dizer dos energéticos ricos em caféina? Este artigo traz o resumo de uma revisão científica publicada no New England com análise de 95 estudos.

Existe Cafeína somente no Café?

Café e chá estão entre as bebidas mais populares em todo o mundo e contêm quantidades substanciais de cafeína, tornando a cafeína o agente psicoativo mais amplamente consumido no mundo. Muitas plantas diferentes contém cafeína em suas sementes, frutos e folhas. Além do café e do chá, essas plantas incluem grãos de cacau (um ingrediente do chocolate), folhas de erva-mate (usadas para fazer um chá de ervas) e guaraná (usadas em várias bebidas e suplementos). Ela também pode ser sintetizada e adicionada a alimentos e bebidas, incluindo refrigerantes, bebidas energéticas e injeções energéticas. Além disso, a cafeína é amplamente utilizada como tratamento para apnéia da prematuridade em bebês, e faz parte da composição de analgésicos comuns. Para uma porção típica, o conteúdo de cafeína é mais alto no café, bebidas energéticas e comprimidos de cafeína; intermediário no chá; e menor em refrigerantes.

Café é um veneno?

De forma alguma, há muito tempo existe a preocupação não comprovada de que o café e a cafeína podem aumentar os riscos de câncer e doenças cardiovasculares, mas, mais recentemente, evidências de benefícios à saúde também surgiram. Uma questão-chave na pesquisa que o café contém centenas de outros fitoquímicos biologicamente ativos. Esses compostos podem reduzir o estresse oxidativo, melhorar o microbioma intestinal, modular o metabolismo da glicose e da gordura. Em contraste, o diterpeno cafestol, que está presente no café não filtrado, aumenta o colesterol. Assim, os resultados da pesquisas de cafeína deve ser interpretada com cautela, uma vez que os efeitos podem não ser causados pela cafeína em si, mas pelo conjunto de substâncias presentes no café.

Como o café age no corpo humano? Efeitos da Caféina

Quimicamente, a cafeína é uma metilxantina (1,3,7-trimetilxantina). A absorção de cafeína está quase completa em 45 minutos após a ingestão, atinge o pico no sangue em até 2 horas. A cafeína se espalha por todo o corpo e consegue penetrar no cérebro. No fígado, a cafeína é metabolizada e, eventualmente, excretada com a urina. Recém-nascidos têm uma capacidade limitada de metabolizarem a cafeína. Fumar acelera muito o metabolismo da cafeína, reduzindo o efeito, enquanto o uso de anticoncepcionais dobra a duração do feito da cafeína. A gravidez reduz bastante o metabolismo da cafeína, especialmente no terceiro trimestre. A duração do efeito também varia conforme a genética de cada um. Além disso, medicamentos de uma variedade de classes de drogas (incluindo vários antibióticos quinolonas, drogas cardiovasculares, broncodilatadores, e agentes antidepressivos) podem retardar o efeito da cafeína. Da mesma forma, a cafeína pode afetar a ação de vários medicamentos. A estrutura molecular da cafeína é semelhante a da adenosina, que permite que a cafeína se ligue a receptores de adenosina, inibindo seus efeitos. O acúmulo de adenosina no cérebro aumenta a sonolência. A cafeína pode antagonizar os efeitos da adenosina e reduzir a fadiga, aumentar o estado de alerta e promover agilidade mental.

Melhora no desempenho cognitivo e alivia a dor?

Sim, além disso, a ingestão de cafeína também pode melhorar a vigilância durante tarefas de longa duração, como trabalhar em uma linha de montagem de longa distância, dirigir e pilotar aeronaves. A cafeína pode contribuir para o alívio da dor quando adicionado a agentes analgésicos. Uma revisão de 19 estudos mostrou que 100 a 130 mg de cafeína adicionada a um analgésico aumentou modestamente a proporção de pacientes com sucesso no alívio da dor.

Atrapalha o Sono? Causa Ansiedade?

Como esperado de seus efeitos sobre a fadiga, o consumo no final do dia pode e reduzir a qualidade do sono. Além disso, cafeína pode induzir ansiedade, particularmente em altas doses (> 200 mg por dose ou > 400 mg por dia) e em pessoas sensíveis, incluindo aquelas com ansiedade ou transtorno bipolar. A variação do efeito da cafeína no sono e na ansiedade é grande a depender da genética de cada pessoa.

Poder diurético

A ingestão de cafeína pode estimular produção de urina, mas sem efeitos prejudiciais na hidratação mesmo com longo prazo de ingesta de doses moderadas (≤400 mg por dia).

Parar de tomar causa abstinência?

Parar de consumir cafeína após o consumo habitual pode levar a sintomas de abstinência, incluindo dores de cabeça, fadiga, diminuição do estado de alerta e humor deprimido. Esses sintomas normalmente atingem o pico 1 a 2 dias após a cessação da cafeína, com duração total de 2 a 9 dias, e pode ser reduzido diminuindo gradualmente o dose de consumo diário.

Quais os efeitos colaterais?

Efeitos colaterais da cafeína em níveis muito elevados no sangue incluem ansiedade, inquietação, nervosismo, disforia (mudança de ânimo) , insônia, excitação psicomotora e fluxo inconstante de pensamento. Estima-se que ocorram efeitos tóxicos com a ingestão a partir de 1,2 g.

Qual o limite de dose?

Uma dose de 10 a 14 g é considerada fatal, seriam necessárias de 75 a 100 xícaras de café consumidas em pouco tempo para atingir tal dose. Mortes relacionadas à cafeína geralmente correm devido doses muito altas de cafeína de comprimidos ou suplementos em pó ou forma líquida, principalmente em atletas ou pacientes com transtornos psiquiátricos.

Energéticos com cafeína fazem mal?

Não, se consumidos de forma moderada. A cafeína na forma de bebidas energéticas podem ter efeitos mais adversos que outras bebidas cafeinadas por vários motivos: alto consumo em um curto período o que não permite o desenvolvimento da tolerância à cafeína ; possíveis efeitos com outros componentes das bebidas ; combinação com consumo de álcool ou esforço vigoroso. O alto consumo de bebidas energéticas (1L com 320mg de cafeína por lata), associado as consumo não moderado de café, resulta em problemas cardiovasculares de curto prazo (aumento da pressão arterial, arritimias e palpitações). É aconselhado verificar o teor de cafeína, evitar consumo exagerado e a combinação com álcool.

O Café e seus Diverso benefícios para saúde

Aumenta a pressão arterial?

Não. Meta-análises indicam que ingestão isolada de cafeína (ou seja, cafeína pura, não na forma de café) aumentam discretamente a pressão arterial. No entanto, nenhum efeito substancial foi encontrado em estudos com o café, mesmo entre pessoas com pressão alta. Da mesma forma, em estudos, o consumo de café não foi associado a um risco de hipertensão.

Aumenta o colesterol?

Apenas o alto consumo de café não filtrado (6 xícaras por dia) aumenta o LDL (chamado de colesterol ruim). Em contraste, o café filtrado não aumenta os níveis de colesterol. Portanto o consumo moderado de café expresso é seguro para pessoas com colesterol alto.

Faz bem pro Coração?

Sim, alguns estudo buscaram encontrar associação entre o consumo do café e o desenvolvimento de arritmias, porém os resultados indicam que o café não provoca este efeito. Muitos estudos examinaram o café e consumo de cafeína em relação aos riscos de doença arterial coronariana e acidente vascular cerebral. Os resultados indicam consistentemente que o consumo de até 6 xícaras padrão de café com cafeína filtrado por dia, em comparação com nenhum consumo de café, não está associado a um risco aumentado de eventos cardiovasculares em geral. Na verdade, o consumo de café foi associado com risco reduzido de doenças cardiovasculares, com o menor risco de 3 a 5 xícaras por dia. Foi observado um efeito protetor no consumo de café e morte por doenças cardiovasculares.

Xicaras de café

Ajuda A Emagrecer?

Estudos sugerem que a cafeína pode melhorar balanço de energia reduzindo o apetite e aumentado o gasto energético basal em 5% possivelmente por meio de estimulação do sistema nervoso. Aumentos na ingestão de cafeína foram associados a menor ganho de peso a longo prazo. Estudos também apóiam um modesto efeito benéfico de ingestão de cafeína na gordura corporal. No entanto, bebidas com cafeína que são ricas em calorias, como refrigerantes e bebidas energéticas e café ou chá com açúcar adicionado, pode levar ao ganho de peso.

Controla Ou Piora O Diabetes?

A ingestão de cafeína reduz a sensibilidade à insulina no curto prazo. No entanto, consumo de café com cafeína (4 a 5 xícaras por dia) por até 6 meses não afeta a produção de insulina. As descobertas sugerem que o efeito adverso é compensado por efeitos benéficos de longo prazo de outros componentes do café possivelmente no fígado. Mantendo o quadro de diabetes inalterado.

Causa Câncer?

Não, os resultados de muitos estudos fornecem fortes evidências de que o consumo de café e a cafeína não está associada a um aumento incidência de câncer ou uma taxa aumentada de morte por câncer. Muito pelo contrário o consumo de café está associado a um risco ligeiramente reduzido de câncer de pele, mama e de próstata. Um novo estudo observou redução mais significativa para o câncer endometrial (útero) e carcinoma hepatocelular (fígado).

Protege O Fígado?

O café também tem sido consistentemente associado a saúde do fígado, refletindo danos reduzidos ao fígado e um menor risco de fibrose hepática e cirrose. Um ensaio clinico mostrou que o consumo de cafeína o café reduz os níveis de colágeno do fígado em pacientes com hepatite C sendo um possível efeito redutor de cirrose. Além disso, café pode fornecer proteção contra a esteatose (gordura), melhorando a homeostase da gordura e reduzindo o estresse oxidativo.

Pedra Na Vesícula E No Rim

O consumo de café tem sido associado a um risco reduzido de cálculos biliares e do câncer da vesícula biliar, com uma associação mais forte para café cafeinado do que o descafeinado. O consumo de café pode reduzir o colesterol e a formação de cálculos biliares. Também reduz o risco de pedras nos rins.

Faz bem pro Cérebro? e pro psicológico?

Estudos mostraram forte diminuição no risco da doença de Parkinson. O consumo de café e cafeína também tem sido associado a riscos reduzidos de depressão e suicídio, embora essas descobertas possam não ser aplicas para as pessoas que têm ingestão muito elevada (≥8 xícaras por dia). O consumo de café não é consistentemente associado ao risco de demência ou doença de Alzheimer.

Saiba mais sobre demência:

Café reduz todos os tipos de morte?

Consumo de 2 a 5 xícaras de café padrão por dia reduzem a mortalidade de todas as causas. Em estudos com consumo de mais de 5 xícaras de café por dia, o risco de morte foi menor ou semelhante a o risco sem consumo de café. A redução de mortalidade foi observada em análises restritas a participantes sem doenças crônicas. Consumo de café cafeinado e o consumo de café descafeinado foram similarmente associados a um risco reduzido de morte por qualquer causa. Em outras palavras quem bebe café vive mais tempo independente da causa, esses achados ainda não possuem um mecanismo claro de aumento de sobrevivência mas já foi constatado em alguns estudos.

Gestantes podem tomar café? Há risco?

Sim, com moderação, estudos demonstraram que maior ingestão de cafeína foi associado a baixo peso ao nascer e um maior risco de perda de gravidez . A cafeína passa facilmente pela placenta, e o metabolismo lento da cafeína na mãe e no feto pode resultar em altos níveis circulantes. Além de poder induzir vasoconstrição útero-placentária e hipóxia (falta de oxigênio). Em contraste, a associação entre cafeína e perda de gravidez não foram significativas em consumo mais baixo e pode ter sido afetado por viés de publicação. Um estudo de redução de consumo para mães que já ingerem café regularmente não resultou significativamente em diferença do peso ao nascer. Embora as evidência para efeitos adversos da cafeína na saúde fetal sejam inconclusivos, a prudência sugere limitar a cafeína durante a gravidez ao máximo de 200 mg por dia.

Recomendações

 

O consumo de café com cafeína, não aumenta o risco de doenças cardiovasculares e cânceres. Na verdade, o consumo de 3 a 5 xícaras de café padrão por dia tem sido consistente associado a um risco reduzido de várias doenças crônicas. Os estudos sugerem que um consumo de até 400 mg de cafeína por dia para população adulta geral e de 200 mg por dia para grávidas e lactantes não gera impacto negativo para saúde e pode promover diversos benefícios por mecanismos ainda não compreendidos totalmente. A evidência atual não garante recomendar a ingestão de cafeína ou café para prevenção de doenças, mas sugere que consumo moderado de café ou chá pode ser parte de um estilo de vida saudável.

Referência

van Dam RM, Hu FB, Willett WC. Coffee, Caffeine, and Health. N Engl J Med. 2020;383(4):369-378. doi:10.1056/NEJMra1816604

Compartilhar:

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *