Câncer Como Prevenir

O que é?

Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo.

Tumor e Câncer é a mesma coisa?

Não. Tumor é um conjunto de células que pode ser maligno ou benigno. Um tumor benigno significa simplesmente uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco de vida.

icone de cancer

Introdução

Tanto o rastreamento quanto a prevenção podem reduzir a mortalidade por câncer. A triagem (popularmente chamada de check-up) detecta anormalidades antes que elas se tornem clinicamente aparentes, permitindo a intervenção antes do desenvolvimento do câncer ou em um estágio inicial, quando o tratamento é mais eficaz.

As estratégias de prevenção incluem a modificação dos fatores de risco ambientais e de estilo de vida que promovem o câncer. Estima-se que 50% do câncer seja evitável, embora faltem provas maiores desse dado.

Apesar de um conhecimento robusto de quais fatores diminuem o risco de câncer, a implementação da prevenção do câncer ainda deixa a desejar.

As recomendações gerais de estilo de vida incluem:

  • Evite o fumo
  • Seja fisicamente ativo
  • Mantenha um peso saudável
  • Faça uma dieta rica em frutas, vegetais e grãos inteiros e moderada em gordura saturada / trans, carne vermelha e carne processada
  • Consuma pouco álcool (zero é melhor)
  • Proteja contra infecções sexualmente transmissíveis
  • Evite o excesso de sol e bronzeamento artificial
  • Faça exames regulares para câncer de mama, colo do útero, colorretal, pulmão (se houver histórico de tabagismo intenso) e mantenha sua avaliação médica em dia.
bonsai, tree, nature

Evidências que estas recomendações funcionam

Muitas doenças malignas são evitáveis porém, ocorrem, em média, 18 milhões de casos de câncer e mais de 9 milhões de mortes anuais em todo o mundo. O câncer supera as doenças cardiovasculares como a causa número um de morte nos Estados Unidos para pessoas com menos de 80 anos.

Um estudo apontou 8 fatores de riscos modificáveis como a causa de 35% das mortes por câncer em todo o mundo: fumo, uso de álcool, dieta pobre em frutas e vegetais, excesso de peso, inatividade, sexo inseguro, poluição do ar urbano, uso de combustíveis sólidos e injeções contaminadas em ambientes de saúde.

O estilo de vida têm sido associado a uma variedade de doenças malignas, incluindo as mais comuns no mundo desenvolvido: câncer de pulmão, intestino, próstata e mama.

Em um estudo longitudinal, os participantes com estilo de vida saudável (nunca fumar, peso ideal, atividade física, dieta saudável) tiveram aproximadamente um terço do risco de câncer em comparação com aqueles que não tinha nenhuma dessas práticas.

Uma revisão sistemática abrangente com enfoque global chegou a conclusões semelhantes em relação à dieta, peso e atividade física.

Em um estudo baseado nas recomendações do World Cancer Research Fund e do American Institute of Cancer Research relacionadas ao controle de peso, atividade física, consumo de alimentos vegetais e animais, amamentação (em mulheres) e ingestão de álcool, houve uma associação entre pontuações mais altas (melhor adesão) e redução de risco para câncer total, bem como cânceres específicos (intestino, estômago, mama, endométrio, pulmão, rim, fígado, esôfago, ovário, pâncreas, bexiga, mas não para próstata).

Um outro estudo encontrou benefícios substanciais de longevidade naqueles que adotam um estilo de vida saudável em geral. Nas mulheres, ter quatro ou cinco comportamentos saudáveis (nunca fumar, atividade física, peso saudável, dieta saudável, álcool moderado) foi associado a 8,3 anos de expectativa de vida a mais sem câncer em comparação com aqueles sem nenhum dos comportamentos. Os homens experimentaram 6,0 anos adicionais sem câncer.

Como prevenir?

Largar o Cigarro

O uso de tabaco é a causa mais evitável de câncer e é responsável por 21% do total de mortes por câncer em todo o mundo. Metade de todos os fumantes morrem de doenças relacionadas ao tabaco, e os fumantes adultos perdem em média 13 anos de vida devido ao uso do tabaco.

O tabagismo é responsável por aproximadamente 30% de todas as mortes relacionadas ao câncer nos Estados Unidos. É o fator de risco mais forte para o câncer de pulmão, aumentando o risco de 10 a 20 vezes. Fumar também está implicado como fator causador de leucemia, bem como cânceres da cavidade oral, cavidade nasal, nasofaringe, laringe, esôfago, pâncreas, fígado, estômago, colo uterino, rim, intestino grosso e bexiga.

Estudos também sugerem que fumar está associado ao aumento da incidência de câncer de mama e de próstata, particularmente em indivíduos afro-americanos.

O tabaco atua em vários estágios da carcinogênese (origem do câncer); ele entrega carcinógenos (substâncias causadoras do câncer) diretamente aos tecidos, causa irritação e inflamação e interfere nas barreiras naturais de proteção do corpo. Tais achados são mais associados ao cigarro, mas também ocorrem com charutos, cachimbos, tabaco sem fumaça e exposição ao tabagismo passivo.

Cessar o tabagismo está associado a uma redução no risco de câncer e também à diminuição do risco de desenvolver uma segunda doença maligna além de melhorar os resultados do tratamento de um câncer atual.

 

Respire Ar Puro

 

Uma análise progressiva de mais de 300.000 pessoas em nove países europeus encontrou uma associação significativa entre a poluição do ar e a incidência de câncer de pulmão. A inalação constante do produto da queimação do óleo diesel também está associada ao aumento do câncer de pulmão.

Exposição moderada ao sol. Não se expor a radiação ultra-violeta artificial.

Mais de um milhão de casos de câncer de pele, incluindo carcinoma basocelular e espinocelular, são diagnosticados a cada ano. Embora a maioria dos cânceres de pele sejam curáveis, nos EUA morrem aprox. 6 mil pacientes de melanoma por ano. A exposição solar excessiva é a principal causa do câncer de pele. A radiação ultravioleta causa mutações genéticas e interfere no sistema imunológico da pele, limitando a capacidade do corpo de rejeitar células cancerígenas.

O risco de câncer de pele parece estar relacionado com a exposição solar total durante a vida. O melanoma aparece ainda mais com exposições intensas repetidas que levam a queimaduras com bolhas, principalmente na infância e adolescência.

A exposição ultravioleta de camas de bronzeamento foi classificada como um carcinógeno humano, com um aumento de 75% no risco de melanoma em pacientes que fizerem bronzeamento artificial antes dos 35 anos.

 

Evite respirar Radônio

 

O radônio é um gás radioativo e está presente no solo, nas rochas e nas águas subterrâneas e pode se acumular nas casas. Uma meta-análise de 2005 relatou uma relação entre a quantidade de radônio detectada em casa e o risco de desenvolver câncer de pulmão. Com base nessa meta-análise, os autores estimaram que a exposição ao radônio pode ser responsável por até 2% das mortes por câncer de pulmão na Europa.

 

Não beba água com Arsênio

 

A exposição de longo prazo a níveis elevados de arsênio na água contaminada está associada a um aumento no risco de certos tipos de câncer de bexiga. A maioria dos suprimentos de água municipais são testados regularmente para arsênico para garantir níveis seguros. Poços de bebida privados são mais propensos a ter níveis elevados e devem ser testados profissionalmente com regularidade.

 

 

Faça Atividade Física

O sedentarismo aumenta o risco de câncer, e estima-se que está associado a 5% das mortes causadas por neoplasias. No entanto, esses dados são observacionais e uma relação causal não foi estabelecida a partir de estudos randomizados.

Para não tabagistas, o exercício é uma das armas mais importantes (junto com o controle de peso e escolhas alimentares) contra o câncer e pode proteger parcialmente dos efeitos adversos de outros fatores de risco.

A atividade física está associada a uma diminuição do risco de diferentes tipos de câncer, mas os dados mais convincentes estão na redução do risco de câncer de cólon (intestino) e mama.

Dieta

Todos sabem que uma dieta equilibrada contribui para manutenção da boa saúde, contudo ainda existe muita polêmica nas opiniões do que seria uma dieta saudável. Por muito anos isso realmente foi questão apenas de opinião com base em argumento lógico, porém com pouca evidência científica de qualidade. Hoje em dia já temos diversos estudos que apontam que a moderação e diversificação realmente são a chave para atingir esse objetivo. Tais achados estarão disponíveis em outro artigo devido grande relevância do tema.

Vacina contra o câncer

As chamadas vacinas contra o câncer ainda estão em fase de pesquisa, mas podem em breve compor o arsenal terapêutico. São compostas por algum componente do câncer que podem ensinar o sistema imunológico da pessoa a se defender sozinho daquele tumor sem a necessidade de quimioterapia. Portanto não se tratam de alternativas de prevenção, mas sim de tratamento de doenças malignas já diagnosticadas em busca de uma cura eficiente. Por se utilizarem de terapia imunológica ao invés de quimioterapia elas podem se tornar o principal tratamento com poucos efeitos colaterais e alto índice de cura.

Já existem duas vacinas aprovadas para tratamentos específicos:
– Sipuleucel-T (Provenge): Usada para tratar o câncer de próstata avançado que não responde a terapia hormonal.
– Talimogene laherparepvec (T-VEC): Esta vacina foi aprovada para tratar o câncer de pele (melanoma avançado). Outros tipos de vacinas contra o câncer têm se mostrado promissores em ensaios clínicos contra câncer de mama, linfoma e leucemia, mas ainda não foram aprovadas para tratamento. Alguns destes estudos tiveram participação de institutos brasileiros.

Há uma longa história de tentativas de aproveitar o reconhecimento imune adaptativo de um antígeno relacionado ao câncer para afetar as respostas antitumorais. Os métodos de vacinas variam amplamente e uma revisão completa está fora do escopo deste post.

Uma maneira simplista de entender o funcionamento é que vários tipos de antígenos (partes do tumor que podem estimular a imunidade) associados podem influenciar a resposta imune de cada pessoa que se encarrega de curar o câncer.
As vacinas continuam a ser testadas extensivamente, especialmente em cânceres “imunogênicos”, dada a crescente compreensão da importância do reconhecimento imunológico específico de cada paciente e de cada tumor, os esforços para desenvolver vacinas terapêuticas contra o câncer estão começando a explorar o uso individualizado. Provavelmente no futuro teremos vacinas específicas para cada pessoa e cada tipo de câncer.

Fique ligado

Já existem evidências de que o jejum intermitente pode ter espaço na prevenção do câncer, saiba mais no artigo:

Referências

  1. Obesity and cancer. Wolin KY, Carson K, Colditz GA Oncologist. 2010;15(6):556. Epub 2010 May 27.
  2. Applying what we know to accelerate cancer prevention. Colditz GA, Wolin KY, Gehlert S Sci Transl Med. 2012;4(127):127rv4.
  3. Realizing the Potential of Cancer Prevention – The Role of Implementation Science. Emmons KM, Colditz GA N Engl J Med. 2017;376(10):986.
  4. Avoidable cancer deaths globally. Brawley OW CA Cancer J Clin. 2011;61(2):67.
  5. Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. Bray F, Ferlay J, Soerjomataram I, Siegel RL, Torre LA, Jemal A CA Cancer J Clin. 2018;68(6):394. Epub 2018 Sep 12.
  6. Harvard Report on Cancer Prevention Volume 2: Prevention of Human Cancer Cancer Causes and Control. 1997; 8:S1.
  7. Cancer incidence attributable to lifestyle and environmental factors in Alberta in 2012: summary of results. Grundy A, Poirier AE, Khandwala F, Grevers X, Friedenreich CM, Brenner DR CMAJ Open. 2017;5(3):E540.
  8. Causes of cancer in the world: comparative risk assessment of nine behavioural and environmental risk factors. Danaei G, Vander Hoorn S, Lopez AD, Murray CJ, Ezzati M, Comparative Risk Assessment collaborating group (Cancers) Lancet. 2005;366(9499):1784.
  9. Causes of cancer in the world: comparative risk assessment of nine behavioural and environmental risk factors. Danaei G, Vander Hoorn S, Lopez AD, Murray CJ, Ezzati M, Comparative Risk Assessment collaborating group (Cancers) Lancet. 2005;366(9499):1784.
  10. Preventable exposures associated with human cancers. Cogliano VJ, Baan R, Straif K, Grosse Y, Lauby-Secretan B, El Ghissassi F, Bouvard V, Benbrahim-Tallaa L, Guha N, Freeman C, Galichet L, Wild CP J Natl Cancer Inst. 2011;103(24):1827. Epub 2011 Dec 12.
  11. Selected major risk factors and global and regional burden of disease. Ezzati M, Lopez AD, Rodgers A, Vander Hoorn S, Murray CJ, Comparative Risk Assessment Collaborating Group Lancet. 2002;360(9343):1347.
  12. Healthy living is the best revenge: findings from the European Prospective Investigation Into Cancer and Nutrition-Potsdam study. Ford ES, Bergmann MM, Kröger J, Schienkiewitz A, Weikert C, Boeing H Arch Intern Med. 2009;169(15):1355.
  13. World Cancer Research Fund/American Institute for Cancer Research. Food, Nutrition, Physical Activity and the Prevention of Cancer: A Global Perspective. Washington, DC: AICR, 2007.
  14. Is concordance with World Cancer Research Fund/American Institute for Cancer Research guidelines for cancer prevention related to subsequent risk of cancer? Results from the EPIC study. Romaguera D, Vergnaud AC, Peeters PH, van Gils CH, Chan DS, Ferrari P, Romieu I, Jenab M, Slimani N, Clavel-Chapelon F, Fagherazzi G, Perquier F, Kaaks R, Teucher B, Boeing H, von Rüsten A, Tjønneland A, Olsen A, Dahm CC, Overvad K, Quirós JR, Gonzalez CA, Sánchez MJ, Navarro C, Barricarte A, Dorronsoro M, Khaw KT, Wareham NJ, Crowe FL, Key TJ, Trichopoulou A, Lagiou P, Bamia C, Masala G, Vineis P, Tumino R, Sieri S, Panico S, May AM, Bueno-de-Mesquita HB, Büchner FL, Wirfält E, Manjer J, Johansson I, Hallmans G, Skeie G, Benjaminsen Borch K, Parr CL, Riboli E, Norat T Am J Clin Nutr. 2012 Jul;96(1):150-63. Epub 2012 May 16.
  15. Healthy lifestyle and life expectancy free of cancer, cardiovascular disease, and type 2 diabetes: prospective cohort study. Li Y, Schoufour J, Wang DD, Dhana K, Pan A, Liu X, Song M, Liu G, Shin HJ, Sun Q, Al-Shaar L, Wang M, Rimm EB, Hertzmark E, Stampfer MJ, Willett WC, Franco OH, Hu FB BMJ. 2020;368:l6669. Epub 2020 Jan 8.
  16. Mortality in relation to smoking: 40 years’ observations on male British doctors. Doll R, Peto R, Wheatley K, Gray R, Sutherland I BMJ. 1994;309(6959):901.
  17. Annual smoking-attributable mortality, years of potential life lost, and economic costs–United States, 1995-1999. Centers for Disease Control and Prevention (CDC) MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2002;51(14):300.
  18. Vital Signs: Disparities in Tobacco-Related Cancer Incidence and Mortality – United States, 2004-2013. Henley SJ, Thomas CC, Sharapova SR, Momin B, Massetti GM, Winn DM, Armour BS, Richardson LC MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2016;65(44):1212. Epub 2016 Nov 11.
  19. Colditz G, Ryan CT, Dart CH. Lifestyle Behaviors Contributing to the Burden of Cancer. In: Fulfilling the Potential of Cancer Prevention and Early Detection, Curry S, Byers T, Hewitt M (Eds), The National Academies Press, Washington, DC 2003.
  20. Thun M, Day-Lally C, Myers E, et al.. Trends in tobacco smoking and mortality from cigarette use in Cancer Prevention Studies I (1959 through 1965) and II (1982 through 1988). In: Changes in Cigarette-related Disease Risk and their Implications for Prevention and Control, Burns D, Garfinkel L, Samet J (Eds), National Institute of Health, Washington, DC 1997.
  21. Tobacco smoking and cancer: a brief review of recent epidemiological evidence. Sasco AJ, Secretan MB, Straif K Lung Cancer. 2004;45 Suppl 2:S3.
  22. Cigarette smoking and adult leukemia. A meta-analysis. Brownson RC, Novotny TE, Perry MC Arch Intern Med. 1993;153(4):469.
  23. Smoking and prostate cancer in a multi-ethnic cohort. Murphy AB, Akereyeni F, Nyame YA, Guy MC, Martin IK, Hollowell CM, Walker K, Kittles RA, Ahaghotu C Prostate. 2013 Oct;73(14):1518-28. Epub 2013 Jul 3.
  24. Smoking and prostate cancer survival and recurrence. Kenfield SA, Stampfer MJ, Chan JM, Giovannucci E JAMA. 2011 Jun;305(24):2548-55.
  25. A systematic review and meta-analysis of tobacco use and prostate cancer mortality and incidence in prospective cohort studies. Islami F, Moreira DM, Boffetta P, Freedland SJ Eur Urol. 2014;66(6):1054. Epub 2014 Sep 18.
  26. Active and passive smoking and risk of breast cancer: a meta-analysis. Macacu A, Autier P, Boniol M, Boyle P Breast Cancer Res Treat. 2015;154(2):213. Epub 2015 Nov 6.
  27. Tobacco and cancer: recent epidemiological evidence. Vineis P, Alavanja M, Buffler P, Fontham E, Franceschi S, Gao YT, Gupta PC, Hackshaw A, Matos E, Samet J, Sitas F, Smith J, Stayner L, Straif K, Thun MJ, Wichmann HE, Wu AH, Zaridze D, Peto R, Doll R J Natl Cancer Inst. 2004;96(2):99.
  28. Some drinking-water disinfectants and contaminants, including arsenic. IARC Working Group on the Evaluation of Carcinogenic Risks to Humans IARC Monogr Eval Carcinog Risks Hum. 2004;84:1.
  29. Elevated Bladder Cancer in Northern New England: The Role of Drinking Water and Arsenic. Baris D, Waddell R, Beane Freeman LE, Schwenn M, Colt JS, Ayotte JD, Ward MH, Nuckols J, Schned A, Jackson B, Clerkin C, Rothman N, Moore LE, Taylor A, Robinson G, Hosain GM, Armenti KR, McCoy R, Samanic C, Hoover RN, Fraumeni JF Jr, Johnson A, Karagas MR, Silverman DT J Natl Cancer Inst. 2016;108(9) Epub 2016 May 2.
  30. Air pollution and lung cancer incidence in 17 European cohorts: prospective analyses from the European Study of Cohorts for Air Pollution Effects (ESCAPE). Raaschou-Nielsen O, Andersen ZJ, Beelen R, Samoli E, Stafoggia M, Weinmayr G, Hoffmann B, Fischer P, Nieuwenhuijsen MJ, Brunekreef B, Xun WW, Katsouyanni K, Dimakopoulou K, Sommar J, Forsberg B, Modig L, Oudin A, Oftedal B, Schwarze PE, Nafstad P, De Faire U, Pedersen NL, Ostenson CG, Fratiglioni L, Penell J, Korek M, Pershagen G, Eriksen KT, Sørensen M, Tjønneland A, Ellermann T, Eeftens M, Peeters PH, Meliefste K, Wang M, Bueno-de-Mesquita B, Key TJ, de Hoogh K, Concin H, Nagel G, Vilier A, Grioni S, Krogh V, Tsai MY, Ricceri F, Sacerdote C, Galassi C, Migliore E, Ranzi A, Cesaroni G, Badaloni C, Forastiere F, Tamayo I, Amiano P, Dorronsoro M, Trichopoulou A, Bamia C, Vineis P, Hoek G Lancet Oncol. 2013 Aug;14(9):813-22. Epub 2013 Jul 10.
  31. Exposure to diesel motor exhaust and lung cancer risk in a pooled analysis from case-control studies in Europe and Canada. Olsson AC, Gustavsson P, Kromhout H, Peters S, Vermeulen R, Brüske I, Pesch B, Siemiatycki J, Pintos J, Brüning T, Cassidy A, Wichmann HE, Consonni D, Landi MT, Caporaso N, Plato N, Merletti F, Mirabelli D, Richiardi L, Jöckel KH, Ahrens W, Pohlabeln H, Lissowska J, Szeszenia-Dabrowska N, Zaridze D, Stücker I, Benhamou S, Bencko V, Foretova L, Janout V, Rudnai P, Fabianova E, Dumitru RS, Gross IM, Kendzia B, Forastiere F, Bueno-de-Mesquita B, Brennan P, Boffetta P, Straif K Am J Respir Crit Care Med. 2011 Apr;183(7):941-8. Epub 2010 Oct 29.
  32. Radon in homes and risk of lung cancer: collaborative analysis of individual data from 13 European case-control studies. Darby S, Hill D, Auvinen A, Barros-Dios JM, Baysson H, Bochicchio F, Deo H, Falk R, Forastiere F, Hakama M, Heid I, Kreienbrock L, Kreuzer M, Lagarde F, Mäkeläinen I, Muirhead C, Oberaigner W, Pershagen G, Ruano-Ravina A, Ruosteenoja E, Rosario AS, Tirmarche M, Tomásek L, Whitley E, Wichmann HE, Doll R BMJ. 2005;330(7485):223. Epub 2004 Dec 21.
  33. Harvard Report on Cancer Prevention. Volume 1: Causes of human cancer. Cancer Causes Control. 1996;7 Suppl 1:S3.
  34. Cancer risk associated with chronic diseases and disease markers: prospective cohort study. Tu H, Wen CP, Tsai SP, Chow WH, Wen C, Ye Y, Zhao H, Tsai MK, Huang M, Dinney CP, Tsao CK, Wu X BMJ. 2018;360:k134. Epub 2018 Jan 31.
  35. Physical activity and colon cancer prevention: a meta-analysis. Wolin KY, Yan Y, Colditz GA, Lee IM Br J Cancer. 2009;100(4):611. Epub 2009 Feb 10.
  36. Long-term recreational physical activity and risk of invasive and in situ breast cancer: the California teachers study. Dallal CM, Sullivan-Halley J, Ross RK, Wang Y, Deapen D, Horn-Ross PL, Reynolds P, Stram DO, Clarke CA, Anton-Culver H, Ziogas A, Peel D, West DW, Wright W, Bernstein L Arch Intern Med. 2007;167(4):408.
  37. https://www.cancer.org/treatment/treatments-and-side-effects/treatment-types/immunotherapy/cancer-vaccines.html
Compartilhar:

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *